Cruz de Ferro, um lugar mágico no Caminho de Santiago

Quer fazer o Caminho? Nós ajudamo-lo
A Pilgrim Travel SL vai utilizar os seus dados apenas para atender a sua solicitação. Os seus dados não vão ser partilhados. Para exercer os seus direitos consulte a política de privacidade

La Cruz de Ferro, também conhecida como La Cruz de Hierro, Cruz do Ferro ou Cruz de Fierro e localizada entre as cidades de Foncebadón e Manjarín, na província de León, é um dos pontos mais emblemáticos do Caminho de Santiago, cheio de simbolismo e rodeado de mistérios (porque a sua origem exacta nem sequer é clara). Nós conhecemo-lo bem, devido à proximidade que nos liga a ele (o nosso restaurante medieval em Foncebadón é muito próximo) e isto é tudo o que precisas de saber sobre ele.

O que é exatamente a Cruz de Ferro?

Está bem, mas antes de mais, talvez não saibas exatamente o que é a Cruz de Ferro. Ao contrário dos outros pontos importantes espalhados pelo Caminho de Santiago, neste caso não estamos a falar de um grande monumento (embora, como dissemos, o seu valor em termos de simbolismo e história seja importante, como veremos mais adiante em detalhe).

É um grande monte de pedras, ou humilhadero, que é o nome dado a estas formações espalhadas pelo Caminho de Santiago com um alto valor simbólico, lançadas pelos milhares de peregrinos que passam durante o ano na sua peregrinação a Santiago de Compostela.

O monte é coroado por um grande mastro de madeira, com cerca de cinco metros de altura, e este por sua vez por uma simples cruz de ferro (que não é a original; aquela está em segurança no Museo de los Caminos de Astorga).

Para além disso, e de origem muito mais recente, existe também uma pequena capela dedicada ao apóstolo São Tiago e uma fonte.

Onde está a Cruz de Ferro no Caminho de Santiago?

A localização da Cruz de Ferro, como no resto dos humilhares (são muito poucos os que estão realmente vivos), não é uma questão trivial.

Está entre duas regiões de León, El Bierzo e La Maragatería, que são muito diferentes em termos de costumes e, sobretudo, em termos da sua flora e paisagens. É também o ponto onde as duas bacias dos dois rios mais importantes do noroeste da península, o Duero e o Sil-Miño, divergem. E ainda mais importante: é o ponto mais alto que os peregrinos sobem no Caminho de Santiago (cerca de 1.500 metros de altura) e marca o fim da passagem de Foncebadón.

É por isso que hoje em dia a Cruz de Ferro ainda é relevante. É um marco importante na rota de peregrinação dos peregrinos, um ponto onde eles deixam para trás as centenas de quilómetros difíceis percorridos para lá chegarem e onde começam o troço final da peregrinação. Para expressar a sua gratidão e como oferenda, colocam uma pedra no santuário trazida do seu lugar de origem.

Cruz de Fierro e a tradição

Neste ponto, a primeira dúvida lógica é de onde vem esta tradição de depositar pedras no topo do desfiladeiro de Foncebadón, para a qual existem várias explicações possíveis.

Uma das mais populares sugere que a origem é romana. Sabemos que no Império Romano era costume erguer altares a Mercúrio, divindade de fronteiras e estradas e por isso intimamente associado aos viajantes, nesses lugares dos seus territórios "especiais" por diferentes razões; sendo uma área natural divisória de dois territórios, pela sua grande dificuldade para os caminhantes... e o ponto da Cruz de Ferro cumpre todos eles (especialmente a dificuldade, naqueles tempos, atravessar um desfiladeiro como o de Foncebadón era arriscar a própria vida).

Não só isso. Os Romanos consideravam que os espíritos dos mortos viviam nesta encruzilhada, e como dissemos, eram as moradas dos deuses, deuses que reclamavam as almas dos viajantes para acalmar os seus espíritos. Então o viajante, para escapar à ira das divindades em forma de acidente ou doença, teve de fazer uma oferenda ao passar por elas, e é aqui que as pedras entram: o peregrino deixou a sua pedra na pilha, pois estas eram consideradas oferendas, tanto na cultura romana como em outras espalhadas pelo mundo.

A outra explicação possível, mais conhecida e mais prosaica, fixa o início da tradição na Idade Média. Nesse período, a pedra era um bem valioso, e a igreja teria pedido ajuda aos peregrinos para recolher o precioso material e usá-lo para construir as igrejas e capelas ao longo do caminho (incluindo a Catedral de Santiago), deixando algumas em certos pontos complexos ao longo do caminho como sinal de gratidão e protecção.

Seja qual for a sua origem, deixar uma pedra no topo do desfiladeiro de Foncebadón tornou-se uma tradição sólida e duradoura, de tal forma que não foi apenas adoptada pelos peregrinos: há provas de que durante os séculos XVIII e XIX, quando o desfiladeiro ainda era a única passagem pelas montanhas de León entre a Galiza e a província de León, os colhedores galegos que iam a Castela em cada estação também deixaram a sua oferta no enclave sob a forma de pedra.

E assim até hoje, graças ao facto de que o Caminho de Santiago ainda sobrevive, a Cruz de Ferro é o maior santuário em uso na Europa.

A Cruz de Ferro e Gaucelmo

Mas há ainda outra dúvida óbvia em torno da Cruz de Ferro, e é quem pôs um mastro de cinco metros com uma cruz no monte de pedras e porquê. Sobre esta questão há mais consenso, e tudo aponta para o ermitão Gaucelmo.

De acordo com toda a documentação disponível, no século XI a Cruz de Ferro foi cristianizada por Gaucelmo, um monge hospitalizado que construiu um hospital para peregrinos em Foncebadón, e a quem é atribuído que a primeira cruz com o mastro foi colocada nos humilhares.

O objectivo, para além do puro facto de converter um símbolo pagão num símbolo cristão, algo muito comum, era também puramente prático: fornecer aos caminhantes um ponto de referência que lhes permitisse não se perderem ao passar pelo desfiladeiro. Porque, sim, no topo de Foncebadón, as quedas de neve foram muito frequentes e pesadas a maior parte do ano (hoje muito menos, mas já vimos várias vezes qualquer sinal de toda a estrada desaparecer sob a neve, por isso imagina o tempo).

Como fazer o caminho de Santiago de Compostela?  Nós ajudamo-lo

Como o podemos ajudar?

  • Quais são as diferentes rotas do Caminho de Santiago
  • Completar as rotas de várias formas e feitios
  • Reservar o Caminho de Santiago 
  • Em que altura do ano fazer o Caminho
  • Albergues do caminho santiago português
Deixe os seus dados e nós iremos responder muito brevemente
INFORMAÇÃO SEM QUALQUER COMPROMISSO
A Pilgrim Travel SL vai utilizar os seus dados apenas para atender a sua solicitação. Os seus dados não vão ser partilhados. Para exercer os seus direitos consulte a política de privacidade

NÃO TEM TEMPO SUFICIENTE?

Pode personalizar o seu Caminho  e fazer cada etapa ao gosto

Non tem dias suficientes para fazer o Caminho de Santiago inteiro? Pode fazer apenas uma parte do percurso e continuar em outra ocasião ou em outra altura do ano o seu caminho para Santiago de Compostela. Seleccione apenas o número de etapas que vai precisar de acordo com os seus dias de férias.

"Cada etapa é um dia de caminhada"

Pode começar onde quiser a desfrutar da peregrinação a santiago de compostela e de formosas paisagens, monumentos, gastronomia e festas. Todas as etapas têm pontos de interesse e de referência, e não é preciso fazer o percurso completo. Escolha qualquer um ponto intermédio e complete apenas o número de etapas ou quilómetros que desejar. Sempre pode voltar na sua próxima viagem a Compostela.

Nós ajudamo-lo a organizar o Caminho de Santiago

Ajudamo-lo a programar a sua viagem pelo Caminho de Santiago para que tudo seja perfeito! Contacte-nos grátis para reservar a sua viagem, voos, hotéis ou simplesmente para verificar os preços do Caminho de Santiago

Quanto custa fazer o caminho de santiago de compostela

Isto depende do número de dias que dura o percurso do Caminho de Santiago. É melhor verificar connosco a sua disponibilidade e dias para saber o preço.

Quem somos?

Somos uma agência que organiza o Caminho de Santiago. 

Organizamos uma viagem à sua medida pelo Caminho. Viaje com tudo confirmado e em segurança.

Oferecemos-lhe tudo o que vai precisar para que o percurso seja perfeito para si.

Gerimos a reserva de voos

Damos-lhe dicas sobre etapas e itinerários 

Fazemos as suas reservas de alojamento

Assistência 24 horas

Transportamos a sua mochila a cada dia