Caminho de Fisterra e Muxía

Quer fazer o Caminho? Nós ajudamo-lo
A Pilgrim Travel SL vai utilizar os seus dados apenas para atender a sua solicitação. Os seus dados não vão ser partilhados. Para exercer os seus direitos consulte a política de privacidade

O Caminho de Fisterra e Muxía é conhecido como a extensão do Caminho de Santiago que liga a capital galega à capa de Finisterra e Muxía, ambos localizados na lendária Costa da Morte. É uma rota diferente e única, pois é a única que não leva a Compostela, mas parte de lá, e por isso é usada como continuação ou epílogo da viagem feita por cada peregrino, caminhando os poucos dias que restam até ao fim do mundo.

Estima-se que entre 10 e 15% dos peregrinos que chegam a Compostela continuam a sua viagem até Fisterra, e muitos deles também aproveitam a oportunidade para se aproximarem de Muxía (a etapa de ligação está sinalizada em ambas as direcções, Fisterra-Muxía ou Muxía-Fisterra, por cairns e setas duplas). Há até quem, depois de visitar os dois destinos finais da rota jacobeia, continue a caminhar de volta para Santiago fazendo uma rota quase circular.

Uma rota com mais de mil anos

A peregrinação aos Finis Terrae galego (ou aos vários Finis Terris, pois este também foi considerado o ponto mais ocidental da Bretanha - Pen ar Bed, na região de Armorica -, da Grã-Bretanha - Land's End, na Cornualha e Irlanda) é um fenómeno que remonta a tempos muito anteriores ao Cristianismo, resultado de uma tradição milenar de caminhar para oeste seguindo o curso do sol, para descobrir os limites do mundo conhecido e o lugar onde o sol, no seu declínio, era engolido diariamente pelo oceano.

Ao longo da costa (tanto no Facho de Fisterra, no Monte Corpiño em Muxía, como no topo do Monte Pindo - em Carnota, perto de Cee) havia miradouros ou lugares mágicos onde os sacerdotes Neolíticos observavam o nascer e o pôr do sol, um culto ou culto que persistia sob a cultura Celta. Muito mais tarde a Igreja, na sua campanha para cristianizar esta terra hostil, adaptou estes ritos ancestrais, incorporando-os na história jacobeia através de um hábil mecanismo de sincretismo religioso, convertendo estes lugares mágicos em lugares santos (agora ligados às figuras de Santiago e da Virgem Maria no seu mítico encontro neste canto da Gallaecia, que daria origem à lenda da Virgem da Barca de Muxía, em cuja honra o santuário foi erguido). Ao longo do nosso percurso também vamos encontrar referências a outras histórias fantásticas ligadas à traslação do corpo do apóstolo, como o castigo da desaparecida cidade romana de Dugium (provavelmente Duio, perto de Fisterra), ou o episódio da perseguição que terminaria com o colapso da ponte sobre o rio Tambre (em Ponte Maceira, perto de Negreira).

Seja por razões de fé, seja de acordo com uma antiga tradição pagã, o facto é que durante a Idade Média muitos viajantes que tinham chegado a Compostela continuaram a sua viagem até Muxía e Cabo Finisterra; a prova disso pode ser encontrada nos hospitais dos peregrinos que já no século XII marcaram a rota, ou na carta enviada em 1119 pelo abade de San Xián de Moraime ao rei Afonso VII, na qual ele expressou a sua preocupação em providenciar alojamento para os muitos peregrinos que vieram para a área.

Diferentes viajantes ilustres narraram nos seus diários a peregrinação a Fisterra: o cavaleiro húngaro Jorge Grisaphan (1355), o Gascon Nompar de Caumont (1417), o nobre checo León de Rosmithal (1465), o alemão Sebald Ritter (1462), o veneziano Bartolomé Fontana (1539), o militar e diplomático Erich Lassota (1581), o clérigo bolonheso - grande cronista das suas quatro peregrinações a Santiago - Doménico Laffi (1673).... Parece que os santos e dedicatórias de Fisterra e Muxía reuniram tanto fervor popular que no século XVI o advogado Molina escreveu, em referência ao Santo Cristo de Fisterra: "mais peregrinos vêm ter com ele do que vêm ter com o Apóstolo".  Com os séculos XVIII e XIX veio o declínio e as peregrinações tornaram-se um fenómeno minoritário, cada vez mais residual, persistindo apenas o culto local, uma situação que se agravaria como resultado dos conflitos europeus da primeira metade do século XX.

Felizmente, nos anos 90 esta rota foi documentada e recuperada como o Caminho de Santiago pela Associação Galega de Amigos do Caminho de Santiago (AGACS), e foi depois reconhecida pela Xunta de Galicia na rede de rotas oficiais. Desde o início do século XXI, a sua popularidade tem crescido exponencialmente, pois é um complemento perfeito ou culminação depois de chegar a Compostela por qualquer uma das outras rotas de peregrinação a Santiago de Compostela.

A rota ou variante para Muxía

Nos últimos anos, a rota ou variante para Muxía tem sido sinalizada e promovida. Começa numa bifurcação localizada numa rotunda 5 km depois de Olveiroa, na localidade de Hospital, onde costumava existir um hospital de peregrinos. Segundo as crónicas medievais, era comum os viajantes visitarem Muxía antes de irem a Finisterra, para visitarem o lugar onde, segundo a lenda jacobeia, a Virgem Maria chegou num barco de pedra para encorajar o apóstolo na sua obra evangelizadora, e onde mais tarde foi erguido o santuário de Nosa Señora da Barca.

Também hoje, em vista da progressiva superlotação da rota para Fisterra, muitos peregrinos decidem ir primeiro para Muxía, uma rota que está menos cheia. A vila piscatória, localizada no coração da Costa da Morte, tem várias pousadas, hotéis, um magnífico mercado de peixe e bons restaurantes, tornando-a um local perfeito para desfrutar de um deleite gastronómico. Além disso, das rochas ou pedras santas à volta do ponto de la Barca podemos desfrutar de um lindo pôr-do-sol sobre o oceano, que nada tem a invejar aos de Finisterre.

A continuação de Muxía até Fisterra é uma etapa muito agradável que atravessa montanhas e florestas, paralela à costa mas com quase nenhum contacto com ela. A rota está bem sinalizada em ambas as direcções, por isso é comum coincidir com peregrinos vindos de Fisterra. Aqueles que desejarem dividir o dia podem fazê-lo passando a noite na cidade de Lires, localizada a meio do palco.

A Fisterrana, a Muxiana e o prémio final

Nenhum peregrino pode esquecer-se de ir buscar o seu Fisterrana, um documento gratuito semelhante ao Compostela - mas secular e em galego - que certifica que fizeram a viagem de Santiago até aqui, o Fim do Mundo. Hoje em dia é entregue, apresentando a credencial carimbada durante o percurso, no gabinete de informação turística localizado na Praça da Constituição em Fisterra.

Da mesma forma, assim que chegarmos a Muxía podemos pedir a Muxiana, um certificado que nos será entregue no gabinete de informação turística, no albergue municipal e em alguns albergues privados. Claro que a mesma credencial e selos de passagem também servirão, se continuarmos até Fisterra, para lá obter a Fisterrana.

Mas o verdadeiro prémio no final desta rota, seja na capa de Finisterra ou nas rochas de Muxía (ou em ambos os lugares, claro, e se o tempo permitir), será contemplar em silêncio o pôr-do-sol sobre o oceano, um momento comovente, difícil de explicar por palavras, em que os peregrinos fazem um balanço dos dias, semanas ou meses de viagem que os trouxeram tão longe. Como diz correctamente o historiador e jornalista Antón Pombo, é "o clímax de um filme para qualquer peregrino minimamente sensível".

Como fazer o caminho de Santiago de Compostela? 
Nós ajudamo-lo

Como o podemos ajudar?

  • Quais são as diferentes rotas do Caminho de Santiago
  • Completar as rotas de várias formas e feitios
  • Reservar o Caminho de Santiago 
  • Em que altura do ano fazer o Caminho
  • Albergues do caminho santiago português
Deixe os seus dados e nós iremos responder muito brevemente
INFORMAÇÃO SEM QUALQUER COMPROMISSO
A Pilgrim Travel SL vai utilizar os seus dados apenas para atender a sua solicitação. Os seus dados não vão ser partilhados. Para exercer os seus direitos consulte a política de privacidade

NÃO TEM TEMPO SUFICIENTE?

Pode personalizar o seu Caminho 
e fazer cada etapa ao gosto

Non tem dias suficientes para fazer o Caminho de Santiago inteiro? Pode fazer apenas uma parte do percurso e continuar em outra ocasião ou em outra altura do ano o seu caminho para Santiago de Compostela. Seleccione apenas o número de etapas que vai precisar de acordo com os seus dias de férias.

"Cada etapa é um dia de caminhada"

Pode começar onde quiser a desfrutar da peregrinação a santiago de compostela e de formosas paisagens, monumentos, gastronomia e festas. Todas as etapas têm pontos de interesse e de referência, e não é preciso fazer o percurso completo. Escolha qualquer um ponto intermédio e complete apenas o número de etapas ou quilómetros que desejar. Sempre pode voltar na sua próxima viagem a Compostela.

Nós ajudamo-lo a organizar o Caminho de Santiago

Ajudamo-lo a programar a sua viagem pelo Caminho de Santiago para que tudo seja perfeito! Contacte-nos grátis para reservar a sua viagem, voos, hotéis ou simplesmente para verificar os preços do Caminho de Santiago

Quanto custa fazer o caminho de santiago de compostela

Isto depende do número de dias que dura o percurso do Caminho de Santiago. É melhor verificar connosco a sua disponibilidade e dias para saber o preço.


Quem somos?

Somos uma agência que organiza o Caminho de Santiago. 

Organizamos uma viagem à sua medida pelo Caminho. Viaje com tudo confirmado e em segurança.

Oferecemos-lhe tudo o que vai precisar para que o percurso seja perfeito para si.

Gerimos a reserva de voos
Damos-lhe dicas sobre etapas e itinerários 
Fazemos as suas reservas de alojamento
Assistência 24 horas
Transportamos a sua mochila a cada dia